Peruíbe (13) 3451-7000 | Itanhaém (13) 3422-2277

Dicas
Efeito da intensidade do exercício na densidade óssea força e volume de cálcio em mulheres idosas

 A idade avançada está relacionada à profundas mudanças na composição corpórea. A maioria dessas mudanças ocorre a partir dos 40 anos. A força muscular também diminui, começando com uma perda gradual de 10% dos 25 aos 50 anos, seguida por uma rápida perda após os 60 anos, atingindo uma queda de 40%. Essas mudanças, tanto a densidade mineral óssea, quanto a força muscular são acompanhadas por um declino na função do estrogênio por volta dos 47 anos em diante.
A ingestão inadequada de cálcio ou baixos níveis de hormônios reguladores acarretam a utilização das reservas de cálcio existente no osso, assim a osteoporose se instala a medida que o osso perde sua massa mineral, tornando-se poroso e quebradiço.Geralmente pacientes pré-menopausal possuem fatores de risco para a perda adiantada de massa óssea.Exercícios que são feitos com altos níveis de tensão ao esqueleto, não são feitos com freqüência em idades avançadas, porém eles provaram sua eficiência em aumentar os níveis de força muscular e densidade mineral óssea.
Em contraste, exercícios que são comuns diariamente, como caminhada, tem sido o menos efetivo em mineração óssea.Outra controvérsia, é o fato de que na mulher, a terapia de reposição hormonal não aparenta ter efeito adicional na força muscular, quando combinada com exercício.
Por conta disto, um estudo realizado na Universidade de Southern Cross, na Austrália, avaliou 160 mulheres não habituadas a exercícios regulares, entre 45 e 65 anos, num período de 6 meses. A fim de determinar os efeitos de 2 programas distintos: o primeiro com treinos de força, e outro programa incluía atividade diária de caminhada comum.Concluíram que exercícios de treino de força são efetivos para aumentar a força e manter a densidade mineral óssea. Já atividades de baixa a moderada força muscular, como caminhada ou dança aeróbica, por exemplo, não relataram nenhuma mudança para a densidade mineral óssea.

Por: Camile Magalhães – Fisioterapeuta, especializada em Fisiologia do Exercício

Voltar